Valor e Finanças

Coordenadora:

Profª. Doutora Ana Morais (ADVANCE)

—–

A investigação conduzida pelos membros deste grupo pretende ter forte relevância, confirmada pela publicação em revistas internacionais com revisão por pares e pela publicação em editoras de topo.

A investigação está sobretudo focada em cinco áreas temáticas principais:

1) crédito e mercados de capitais,

2) tributação e políticas fiscais,

3) finanças e corporate governance,

4) contabilidade e avaliação, e

5) sistemas e práticas monetárias.

Todas as cinco áreas integram investigadores com diferentes formações científicas, nomeadamente sociologia, finanças e contabilidade, economia, história e antropologia. Esta distribuição destina-se a fomentar o debate entre disciplinas e promover a pluralidade de abordagens teóricas e metodológicas em assuntos semelhantes. Pretende-se, para cada uma das temáticas, capitalizar as potenciais sinergias que decorrem da aproximação de investigadores de diferentes contextos e com diferentes pontos de vista.

  • A primeira temática, Crédito e Mercados de Capitais, considera aspectos como a performatividade de modelos e teorias económicas. Examina o desempenho e o funcionamento desses mercados e dos seus mecanismos de avaliação, conjuntamente com as normas organizacionais, as funções profissionais e as idiossincrasias de diferentes intervenientes. Também prevê uma abordagem de longo prazo, ampliando a discussão sobre a causalidade entre o desenvolvimento desses mercados e o desempenho económico, utilizando Portugal como estudo de caso. As perspectivas quantitativas irão providenciar várias bases de dados com séries consistentes da bolsa de valores e das taxas de juro desde o século XVIII em diante.
  • A segunda temática, Tributação e Políticas Fiscais, incide sobre os mecanismos sociais envolvidos no cumprimento fiscal e na evasão fiscal, e o seu impacto sobre as finanças públicas. Também aborda questões como a cultura fiscal, a moral fiscal, e a sua associação com a confiança e a legitimidade do Estado nas sociedades avançadas, bem como o impacto dos incentivos fiscais nas empresas e na criação de emprego entre regiões. Será estudada a evolução do sistema fiscal em Portugal, incluindo a forma como ele terá sido afectado pela experiência colonial, sendo que tal será feito em colaboração com universidades brasileiras e outras da América do Sul.
  • A terceira área, Finanças e Corporate Governance, examina o processo de tomada de decisão financeira nas empresas, conjugado com as funções dos Conselhos de Administração e dos executivos empresariais. Desempenho, remuneração e relações são factores a estudar, com especial atenção à comparação internacional. As características contemporâneas das finanças e corporate governance refletem a trajetória histórica dos países. A perspectiva histórica e sociológica sobre a força, resiliência e adaptação dos grupos económicos amplia o significado de redes altamente integradas e entrelaçadas de executivos empresariais e, também, da existência de regulação legal, em particular no sector bancário.
  • A quarta temática, Contabilidade e Avaliação, aborda questões como a divulgação voluntária versus legal de informação, a transparência, a qualidade e manipulação dos rendimentos, as diferenças internacionais na adoção de normas contabilísticas, os sistemas de controlo de gestão e a medição de desempenho. São incluídos como conceitos importantes o valor justo, a intangibilidade e os aspectos comportamentais da reacção dos agentes à informação, à tomada de decisão e aos resultados do desempenho.
  • A quinta área, Sistemas e Práticas Monetárias, considera os múltiplos debates contemporâneos em torno de questões legais e moedas alternativas, emparelhados com análise das práticas e dos sistemas organizacionais que estão envolvidos, quer na circulação quer no armazenamento de dinheiro. A importância do sistema padrão-ouro nas avaliações contemporâneas dos prós e contras da zona Euro realça a relevância das abordagens históricas, possibilitando, nomeadamente, uma “experiência natural” de integração monetária. Este tópico tem raízes históricas no passado colonial de Portugal, que durante o Séc. XVIII se tornou o terceiro maior fornecedor de ouro para o sistema monetário mundial, em particular nas economias que no Séc. XIX se tornariam os primeiros signatários do sistema padrão-ouro.

Lista de investigadores associados a este grupo de investigação

©2017 CSG desenvolvimento [m]

Log in with your credentials

Forgot your details?