“Portugal precisa de mais imigrantes para não encolher”, por Joana Gorjão Henriques (Jornal Público, 18 maio 2017)

Jornal Público, 18 maio 2017

 

Por ocasião da divulgação do estudo “Migrações e Sustentabilidade Demográfica, perspetivas de evolução da sociedade e economia portuguesas”, com coordenação do sociólogo João Peixoto, do Instituto Superior de Economia e Gestão, com a contribuição de doze autores, e organizado pelo coordenador e por Daniela Craveiro, Jorge Malheiros e Isabel Tiago de Oliveira, a jornalista Joana Gorjão Henriques dedica-lhe um artigo no Jornal Público, ao qual intitulou “Portugal precisa de mais imigrantes para não encolher”.

Tendo por base o estudo referido, o artigo do Público sintetiza as principais conclusões deste, ficando-se a perceber melhor o que representa a imigração para a sociedade portuguesa:

se Portugal fechasse já as portas à imigração, se contasse apenas com as suas taxas de fecundidade e de mortalidade, e nada fizesse para controlar o ritmo da emigração, iria encolher até 2060. Passaria dos atuais 10,4 milhões para 7,8 milhões de habitantes”.

Sendo igualmente colocada relevância na necessidade de reduzir a emigração, de modo a promover a retenção de mais gente qualificada em Portugal.

Numa prospeção de 45 anos, que vai de 2015 a 2060, diz João Peixoto em entrevista que, o estudo permitiu observar

“que à medida que o tempo passa, Portugal vai precisar cada vez mais de pessoas que não tem”.

Ou seja,

“seremos uma periferia pouco qualificada da Europa, com pouco crescimento.”

O estudo permitiu apurar que, se não fosse a imigração não existiriam quadros suficientes a ocupar os lugares necessários para o avanço da economia, configurando esta perspetiva algo inovadora nas nossas visões em torno da sociedade portuguesa face aos fluxos migratórios na relação com os aspetos do emprego qualificado e aos aspetos de natureza económica.

Num cenário hipotético, as entradas de mais gente e as saídas de menos pessoas poderiam reequilibrar a discrepância entre o elevado número de idosos e a percentagem de pessoas em idade ativa, ainda que não resolvessem totalmente, dada a irreversibilidade do processo de envelhecimento.

 

Ler artigo na íntegra aqui.

©2021 CSG desenvolvimento [m]

Log in with your credentials

Forgot your details?