Novo Working-paper “Prosápia Intelectual, Neofilia e Fetichismo Temporal: Notas sobre o Conceito de Cronocentrismo”, de Rafael Marques

Acaba de sair o documento de trabalho “Prosápia Intelectual, Neofilia e Fetichismo Temporal: Notas sobre o Conceito de Cronocentrismo” (WP nº1/2020, SOCIUS/CSG-ISEG, maio de 2020), de autoria de Rafael Marques.

Resumo: 

As ciências sociais identificaram, há muito, um problema basilar que constituía importante entrave ao desenvolvimento de um conhecimento verdadeiro e objectivo das sociedades – o etnocentrismo. Neste texto, consideramos que, não menos importante, e talvez mais insidioso, é o problema do cronocentrismo. O cronocentrismo corresponde a uma forma de desconsideração pelas sociedades passadas, impondo sobre elas bitolas de avaliação, juízos e condenações que não respeitam nem a sua lógica nem a sua integridade e são baseados em construções morais presentistas. Trata-se de um enviesamento comum, escassamente reconhecido, que resulta de fraquezas metodológicas e conceptuais e de um parco e errado uso de formas comparativas de análise. A inexistência de deflatores sociais e um fetichismo pela inovação e pela mudança, a par de uma neofilia generalizada têm adensado o problema. Baseados na análise de múltiplos contributos teóricos sobre o conceito de cronocentrismo, apresentados ao longo das últimas cinco décadas, propomos uma matriz integradora capaz de lançar luz sobre o fenómeno e suas causas. A síntese produzida poderá constituir a base para estudos empiricamente conduzidos que testem a validade da chamada “hipótese cronocêntrica”.

(Download)

©2020 CSG desenvolvimento [m]

Log in with your credentials

Forgot your details?